Marca Maxmeio

Jiqui, a extensão da minha casa

"conheci o Jiqui e aí posso dizer que se afirmara em mim aquilo que os apaixonados e poetas chamam “amor à primeira vista”

Ainda nos idos de 1978, então estudante de direito da UFRN, conheci o Jiqui e aí posso dizer que se afirmara em mim aquilo que os apaixonados e poetas chamam “amor à primeira vista”. Conhecia outras propostas, mas o Jiqui apresentava-se diferente. Não era uma simples casa de show ou de mercantilização do laser. Era, na verdade, um espaço de agregação, de congregação, de convergência familiar cuja plástica da natureza era complementada pela dinâmica frenética da criançada que se esbaldava nas piscinas, nos balancins, atrás das bolas, nas correrias, tudo sem prejuízo da festa dos adultos ou da tranqüilidade dos que relaxavam corpos e mentes nas redes estendidas sob as árvores ou sob os espaços projetados bem ao lado das mesas de cada grupo.

Essas foram às razões que me levaram ao Jiqui como sócio, máxime após agraciado pela perpetuação da vida com Larissa, Licínia e Lívia, frutos da geração divina com Edenes. Pude então compor aquela moldura que em passado tão recente somente a vislumbrava nas demais famílias. Não poderia deixar de manifestar que as lições de solidariedade coletiva vivenciada no Jiqui e o altruísmo dos seus dirigentes também me empolgaram e me levaram a participar sempre de sua Direção, o que o faço até hoje em que pesem as limitações que conjunturalmente me impõe o cargo de Procurador Geral do Estado.

Dr. Francisco de Sales Matos
Procurador do Estado do Rio Grande do Norte

« Voltar

Jiqui no facebook